Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

GameOver: Blog oficial

O blog oficial do GameOver. Participa!



Sexta-feira, 31.01.14

O passo seguinte da Nintendo

A Nintendo vive dias complicados e os lucros da companhia caíram cerca de 30% nos últimos nove meses de 2013 face ao período homólogo. A justificação para esta queda prende-se com a fraca adesão da Wii U. A consola doméstica continua sem dar sinais de recuperação e o resultado da Nintendo só não é mais preocupante graças ao bom desempenho da 3DS. Satoru Iwata admitiu a necessidade de uma reviravolta estratégica e uma das primeiras decisões foi um corte significativo nos salários dos principais executivos da companhia (incluindo Shigeru Miyamoto). É verdade que a denominada "guerra das consolas" não é uma corrida ao sprint, mas neste momento o atraso da Wii U em relação à concorrência (PS4 e Xbox One) pode ser determinante, isto tendo em conta que a consola foi lançada no final de 2012.

 

A concorrência é importante e obriga as marcas a trabalhar pela excelência e nesse sentido o mercado precisa da Nintendo. Será que a companhia tem algum trunfo na manga? Esperamos que sim...

 

Bruno Mendonça


Autoria e outros dados (tags, etc)

por Game Over às 15:13

Sexta-feira, 24.01.14

Um sucesso chamado Nintendo

Muito se fala e escreve sobre o facto da Wii U não estar a vender o que a Nintendo pretenderia. Já se começa até a falar sobre o que a Nintendo deve fazer para resolver este “problema”. As opções variam entre baixar preços, antecipar o lançamento da sucessora ou, mais radical, dedicar-se apenas à produção de software. Alguns gostam ainda de lembrar que a estratégia da Nintendo nunca foi a mais adequada para a Wii U, com um preço muito alto e um poderio gráfico demasiado modesto para a altura em que foi lançada. Claro que dizê-lo agora é fácil, mas o que não me parece nada fácil, ou pelo menos provável, é que a Nintendo dê grandes ouvidos a estas críticas, uma vez que nunca nos habituou a isso. Aliás, se o tivesse feito no passado, se calhar não tinha tido o seu maior sucesso de sempre, como aconteceu com a Wii (muito criticada numa fase inicial de vida), ou até a DS.
A Nintendo é igual a si própria. É a empresa que ainda gosta de brincar nas conferências de imprensa, seja com Miyamoto a subir ao palco de escudo e espada na mão, ou com Satoru Iwata a brincar com Pokémons ou a fazer unboxing a consolas de luvas calçadas. A Nintendo gosta, portanto, de continuar jovem de espírito e evitar tornar-se cinzenta e demasiado elitista, sabendo sempre que é um caminho, talvez, mais arriscado mas também muito mais divertido, diria.


Posto isto, e olhando para o sucesso emergente da PS4, quer mundial como nacional, a Nintendo terá obviamente de reagir, e vai reagir, muito provavelmente com uma baixa de preço. No entanto, e para quem já começa a dizer que a fracas vendas da Wii U deixam a tesouraria da Nintendo em estado crítico, convém relembrar que, tendo em conta o sucesso da Wii, que deu lucro à Nintendo desde o dia do seu lançamento, juntamento com uma série de títulos caseiros que venderam ao mesmo ritmo, quer para a Wii como para as portáteis, a verdade é que terá uma “almofada financeira” suficiente para aguentar um insucesso e, logo de seguida, vir a surpreender novamente, como aconteceu com a GameCube e, logo a seguir, a Wii.
Rogério Jardim

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Game Over às 16:32

Sexta-feira, 17.01.14

Steam Machines ao poder?

Há vários meses que as badaladas Steam Machines têm feito correr muita "tinta". Desde que a Valve declarou guerra à sala de estar com o conceito de PC modular, a indústria ficou atenta aos próximos passos da gigante de Gabe Newell. Primeiro revelou um sistema operativo, o SteamOS, uma variante de Linux altamente otimizada para o Steam e Big Picture (otimização de menus na ligação às televisões); depois seguiu-se os comandos oficiais (cuja substituição dos manípulos analógicos por digitais tem-me vindo a criar algum ceticismo); depois houve a demonstração do Piston, uma das primeiras máquinas modulares, num exemplo do que seria uma Steam Machine.

 

Durante o evento CES, no início de janeiro, a Valve revelou finalmente as Steam Machines. Plural, porque são 14 máquinas – para já – oficialmente reconhecidas como tal. Mas o mais estranho, todas elas de fabricantes distintos e nenhuma da Valve, que refere ainda não estar pronta. E mais estranho ainda, o tal Piston não estava no lote. A empresa clarificou depois que não quer ser uma máquina exclusiva para Steam, mantendo ligação com os serviços digitais da Microsoft e Electronic Arts (Origin), por exemplo.

 

Das máquinas reveladas, todas elas têm em comum serem pequenas caixas compactas, como uma consola, entre designs atraentes e outros bizarros. Mas totalmente distintas no preço – entre os 500 e 6 mil dólares – correspondente aos componentes. Mais memória, melhores placas gráficas ou processadores mais rápidos, existem “máquinas a vapor” para todos os bolsos.

 

Mas com isto, do que se trata afinal de uma Steam Machine? A designação pode ser fácil – máquinas otimizadas para correr os títulos presentes no serviço Steam, preparadas para serem utilizadas na sala de estar e ligadas ao televisor. Mas então isso não é possível com os portáteis recentes? Com qualquer outro PC que tenhamos utilizado na última década de existência do serviço digital da Valve? Penso que sim, sem dúvida. Não será apenas o “selo” Steam Machine uma certificação oficial da Valve, uma forma de credibilizar o PC; e de uma última instância, cobrar royalties extra aos fabricantes associados e até mesmo aos consumidores?

 

Terei de trocar o meu PC, com especificações melhores que metade das máquinas reveladas, só porque não tem o tal selo?

Rui Parreira

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Game Over às 15:31

Sexta-feira, 10.01.14

O fim (das consolas) está próximo?

No meio do êxtase da chegada das novas consolas veio também o fatalismo (ou otimismo, dependendo do ponto de vista) de outros que apontava a nova geração de consolas como a última. Jack Trenton, diretor geral da Sony Computer Entertainment America, apontou que os tablets e smartphones não são uma ameaça, que até, pelo contrário, serão complementares às experiências que são possíveis apenas nas consolas.
Contudo, com o lançamento iminente da beta do PlayStation Now, o serviço baseado na tecnologia do Gaikai que permite aceder a títulos por streaming, parece que são as consolas a avançar com a maior ameaça à sua própria existência. Com uma tecnologia que permitirá, eventualmente, aceder a jogos em computadores com especificações muito inferiores às que os jogos supostamente requereriam se não fossem acedidos por streaming (como o Gaikai originalmente comprovou), qual é a relevância ou apelo das consolas?
Esta tecnologia, se adotada pelos jogadores, poderá inclusive revolucionar o modelo de negócio dominante nas consolas. Em vez de se comprarem jogos porque não alugá-los, especialmente os que se esgotam na componente a solo? Será que a era do digital tornará o físico obsoleto, ficando este reservado para edições limitadas e de colecionador?
De qualquer forma, um futuro em que o objeto físico é justificado somente por ter valor adicional é um futuro mais ecológico e mais otimista em termos de arrumação.

 

Duarte Pedreño

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Game Over às 12:10



Pesquisar

Pesquisar no Blog  


Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2009
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2008
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2007
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2006
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Links

Mais Jogos no SAPO




GameOver Ir para o site GameOver