Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

GameOver: Blog oficial

O blog oficial do GameOver. Participa!



Sexta-feira, 27.02.15

O regresso das bandas de rock da sala de estar?

Há quase uma década, um pequeno estúdio independente, Harmonix, apresentava Johnny Napalm ao mundo. Um guitarrista fictício que seria a imagem de um dos maiores fenómenos da década passada: Guitar Hero. Este título abriu caminho a um género musical que era dominado pelos karaokes e mostrou à indústria dos videojogos que o público estava disponível para consumir periféricos temáticos – principalmente arrastados pela febre da Wii e o seu peculiar comando com sensores de movimento.

Rapidamente, as salas de estar transformaram-se em garagens improvisadas e foram inundadas por guitarras e baterias de plástico. Tinha nascido assim um fenómeno: Guitar Hero e Rock Band dominaram as vendas durante alguns e divertidos anos.

Apostamos que muitos jogadores ainda têm uma das famosas guitarras de plástico guardadas no sótão ou no escritório. A saturação do género no mercado levou a Activision e a Electronic Arts a descontinuarem as suas séries. Estes jogos mostraram uma das fortes tendências da anterior geração de consolas, mas como seria o seu regresso à ribalta? Como é que se poderia reinventar o conceito com as capacidades técnicas das novas consolas, serviços de cloud e crescimento das redes sociais como o Twitch?

Poderia o género afirmar-se de uma forma mais realista, como atualmente Rocksmith da Ubisoft? Ou mantendo-se mais acessível, em prol da diversão, deveriam surgir novos instrumentos virtuais?

Não sabemos se o mercado está preparado para o seu regresso, mas alguns analistas já afirmaram que não sendo o negócio milionário de há meia dúzia de anos atrás, ainda poderá render algumas centenas de milhões. O tempo que o género esteve ausente permitiu tonificar o mercado e surgir uma nova geração de jogadores para os apreciar.

A Harmonix, que entretanto mudou baterias para jogos de dança, tirando partida da tecnologia Kinect da Xbox, pode estar a preparar o regresso a género dos instrumentos. E há mesmo rumores que tanto Guitar Hero como Rock Band possam, de alguma forma, renascer.

Provavelmente o principal desafio das editoras é encontrar novos modelos de negócio para as séries. Vive-se atualmente o boom dos jogos free-to-play, e os bundles de jogos com os respetivos periféricos eram mais caros que o normal. Guitar Hero e respetivos clones foram também responsáveis por trazer uma grande fatia de público casual para o mercado, algo agora assumido pelos jogos de tablet e smartphones.

Desta forma, será que este formato de jogos musicais poderia regressar, mesmo que não fosse um sucesso de outrora, mas de forma contida e sem espectativas, voltar a preencher as salas de estar?

Bom fim de semana

Rui Parreira

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Game Over às 11:35

Sexta-feira, 06.02.15

Salto de geração vai ser rápido

Mais do que no passado, o salto de geração parece desta vez ser o mais acelerado de sempre. Lembram-se quando chegou a PS2 e o catálogo de jogos PS One ainda ser longo e atualizado durante os anos que se seguiram? Não se pode dizer que aconteceu o mesmo com a Xbox ou com a GameCube porque, tanto Nintendo como Microsoft perceberam que haviam cometido erros com as suas consolas e tiveram de acelerar o lançamento das consolas seguintes.

Depois, quando chegou a PS3, Xbox 360 e Wii U, voltamos a assistir a uma aposta relativamente continuada no catálogo da geração anterior, fazendo com que duas gerações convencem em harmonia. No entanto, com a PS4 e Xbox One, já não acredito que o mesmo se volte a repetir, por uma razão muitos simples: necessidade de Sony e Microsoft fazerem dinheiro. Sim, a Nintendo estará mais confortável neste campo dado o sucesso monumental da Wii. Se bem se lembram, a PS4, por exemplo, foi a primeira consola da Sony a dar lucro desde o dia de lançamento. Refiro-me ao preço de venda ser superior ao de custo de fabrico. Já a Xbox One, com uma lógica semelhante à da sua rival, também apresenta maior potencial de lucro que na geração anterior. Em cima disto, talvez como nunca havia acontecido, produzir jogos para uma e para outra, ou seja, títulos multiplataforma, nunca foi também tão fácil. Posto isto, tanto as fabricantes de consolas como as editoras só têm a ganhar em acelerar a passagem de testemunho geracional. Já a Nintendo, com a Wii U muito longe do que desejaria, terá de saber adaptar-se, pelo que suspeito que em breve haverá anúncio por terra “Nitendistas”.

Não se admirem, por isso, se virem cada vez mais anúncios de jogos que serão apenas desenvolvidos para PS4 e Xbox One.

Rogério Jardim

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Game Over às 11:00



Pesquisar

Pesquisar no Blog  


Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2009
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2008
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2007
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2006
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Links

Mais Jogos no SAPO




GameOver Ir para o site GameOver