Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

GameOver: Blog oficial

O blog oficial do GameOver. Participa!



Terça-feira, 17.04.07

Mais um estudo... mais conclusões

A British Board of Film Classification publicou um estudo sobre vídeojogos. Os resultados foram atingidos após inquéritos feitos a jogadores dos sete aos quarenta anos, assim como a pais de jovens gamers e a representantes da indústria.

 

E diga-se que alguns dos resultados são realmente interessantes. Sem mais, fiquem a conhecer os pontos essenciais, apresentados na MCV:

 

-         No que respeita a idades, apesar de se começar a jogar cada vez mais cedo, a média etária dos jogadores é cada vez mais elevada.

 

-         Há diferenças notórias no que toca aos gostos dos elementos femininos e masculinos. Os primeiros preferem puzzle-games e simuladores de vida real, enquanto os segundos optam por shooters e simuladores de desporto.

 

-         Os utilizadores masculinos jogam consecutivamente durante períodos mais longos de tempo.

 

-         Críticas negativas têm efeito contrário, ou seja, fazem com os jogos em questão vendam mais.

 

-         Os mais novos escolhem os jogos baseando-se no “passa palavra”, optando por títulos utilizados dentro do seu grupo de amigos.

 

-         As pessoas vêem os jogos como uma forma sem risco de se fugir à realidade. Ao contrário da vida real, sentem-se ao comando do seu destino.

 

-         Quando se joga têm-se um papel activo, oferecendo um sentimento de conquista, ao contrário do que acontece em formas passivas de entretenimento, como é o caso da televisão e do cinema. Os jogadores são movidos pelas conquistas, mas é pouco provável que se envolvam emocionalmente com as obras, preocupando-se mais com o progresso no jogo do que com o desenrolar do argumento.

 

-         Devido à natureza interactiva do produto, é pouco provável que  os utilizadores se esqueçam que estão perante um jogo, o mesmo não acontecendo quando estão a assistir a um programa de televisão ou a um filme.

 

-         Os utilizadores referem que os jogos são mentalmente estimulantes, melhorando a coordenação olhos/mãos.

 

-         A violência nos jogos cria tensão e um sentido de vulnerabilidade nos utilizadores, com estes a focalizaram-se na tentativa de prevenir que a sua personagem sofra danos, não se preocupando tanto com o que acontece às outras personagens.

 

-         Apesar da realização de actos violentos ser apelativa, os gamers têm completa noção que se encontram perante um vídeojogo.

 

-         A maioria dos gamers não se mostram preocupados com a violência nos vídeojogos, considerando a violência na televisão e em filmes bem mais realista e perturbadora. Apesar disso, estão conscientes que a brutalidade presente em títulos considerados para adultos poderá ser nociva para os mais novos.

 

-         A grande maioria dos utilizadores rejeita a noção que os jogos encorajam actos violentos na vida real ou que os tornaram menos sensíveis quando o visionamento de situações violentas.

 

-         Apesar de ficarem surpreendidos com a violência dos vídeojogos, os progenitores que não jogam não acreditam que possa vir a ter um efeito negativo sobre os seus filhos.

 

-         Os pais concordam que a regulação dos vídeojogos é importante, mas alguns revelaram que não se importam de oferecer títulos para adultos aos filhos... porque não são reais.

 

-         Progenitores que não jogam preferiam que os seus filhos praticassem mais actividades ao ar livre, estando particularmente preocupados com os rebentos do sexo masculino. De qualquer maneira, estes pais estão mais preocupados com os perigos relacionados com as salas de conversação.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por luxxx às 14:04


48 comentários

De Shiryu a 18.04.2007 às 01:25

Não tiro qualquer crédito no marketing da Sony, tiro crédito ao público português por os terem posto onde estão, e sim, até um pouco ao público mundial por acatar sem questionar todas as parvoices (que , sejamos francos, nós que temos internet e lemos as coisas quando elas acontecem, estamos muito mais bem informados que o cosnumidor médio).

Eu não gosto da GameCube. Eu AMO a GameCube por ter sideo a responsavel por manter a minha sanidade nos últimos anos da faculdade.

Qualçquer pessoa que tenha uma, percebe porqu~e sem ser necessário eu ter de explicar. Mas claro, nem toda a gente tem a sorte de não viver geograficamente dependente do que se encontra nas nossas prateleiras.

Também é bonito de se ver, muita gente que tem uma Wii agora, está a correr deseperadamente em busca de todos os títulos chaves da GC. Quase diáriamente sou assediado para vender o meu Metal Gear TTS ou o meu Skeis of Arcadia Legends...

... tempo de jogar um bocadinho de Spartan, parece-me.

Comentar post



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


calendário

Abril 2007

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
2930

Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2009
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2008
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2007
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2006
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Links

Mais Jogos no SAPO