Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

GameOver: Blog oficial

O blog oficial do GameOver. Participa!


Sexta-feira, 19.10.07

Paaaaaarty!

Após uma troca de palavrinhas com o Shiryu, não resisti em colocar no blog uma das piores cenas criadas para o vídeojogo.... se é que se pode chamar a isto um jogo.

 

A dita cena vem do deliciosamente péssimo Night Trap, um dos primeiros títulos desenvolvidos para o malogrado MegaCD. E que bela cena esta. Cantorias de qualidade, suaves danças, extrema alegria, belos elementos do sexo feminino dando largas à felicidade.  Assim, sim!

 

Trata-se de um exemplo da mais terrível das estratégias tomada por muitas produtoras em meados dos anos 90: “Temos CD... temos espaço... temos a tecnologia... temos péssimos actores... temos os piores realizadores da história da televisão e cinema... temos os mais rascas dos décors... portanto, toca a fazer jogos que não são bem jogos, repletos de cenas em FMV. BOA! É isso mesmo!”

 

E se a SEGA assim o pensou, pior o fez, tendo dado vida a monstruosidades como Night Trap, Sewer Shark, Road Avenger, Make Your Own Video e Fahrenheit, só para dar alguns exemplos de terrível memória.

 

Mas entre este montinho de dejectos, Night Trap destacava-se...

 

Um grupo de meninas, uma casa e estranhas criaturas que as capturavam uma a uma. O objectivo era andar de divisão em divisão, na tentativa de evitar que as moças dessem de caras com um terrível destino. Péssimo, obviamente, e de jogo tinha muito pouco, para não dizer nada. Não exagero se disser que já vi pústulas mais interactivas do que esta coisa.

 

O destaque ia para Dana Plato, jovem actriz em ascensão, que acabou por se suicidar anos mais tarde. Se fosse mauzinho, diria que é o resultado lógico da participação em títulos FMV lançados para o Mega CD.

 

Mas como não sou, não me resta outra coisa senão dizer: que Deus a tenha!

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por luxxx às 13:40

Terça-feira, 12.12.06

Jogar numa ilha deserta

“Que...(a preencher por quem de direito)... levarias para uma ilha deserta?”

 

Esta é uma pergunta clássica em entrevistas, magazines de televisão e em dias passados entre amigos. Calculo que em blogs também.

 

Como este post foi colocado num blog, blog esse dedicado a vídeojogos, a pergunta que se impõe é: “Que jogos levaria comigo para uma ilha deserta?”

 

E que questão complicada essa. A minha vida é longa e por ela passaram muitas obras que a marcaram bem marcadinha. E se tivesse de escolher apenas doze, junto aos quais teria de passar, em solidão, o resto dos meus dias?!?!

 

Bem... peço desculpa se me esqueci de algum... mas aqui fica a listinha:

 

1 – Robotron, na sua versão máquinas de arcadas. Obra máxima de Eugene Jarvis. Adrenalina pura. Confesso que fiquei indeciso entre Robotron e Tempest.

 

2 – Ms. Pacman. Tenho a máquina de arcadas em casa, portanto, seria fácil colocá-la num avião. É um Pacman sob efeito de anabolizantes. A primeira grande sequela da história dos jogos.

 

3 – Ant Attack. Jogo de Sandy White para o Spectrum. Um mimo que me deu a conhecer as pseudo 3 dimensões e as delícias da perspectiva isométrica. Além do mais, foi o primeiro título vídeojogável onde se viam as cuequinhas da protagonista. As meninas de Dead or Alive que se roam de inveja! Pura arte!!!

 

4 – Speedball 2. Rollerball, segundo a visão dos Bitmap Brothers. À conta dele parti resmas de joysticks do Amiga. Acreditem que ainda tenho cicatrizes na palma da mão direita. Literalmente... este marcou-me para sempre!

 

5 – Super Mario World. Talvez o melhor jogo de plataformas. Fácil de começar, difícil de se dominar... mas jogabilidade na sua forma mais pura! Uma paixão. Shigeru Miyamoto no seu melhor!

 

6 – GunStar Heroes. O mais original dos jogos da Treasure, que acertou em cheio no coração da MegaDrive. Tão criativo, tão criativo que até chega a chatear. Uma obra-prima!

 

7 – Sonic CD. O grande jogo da malograda MegaCD. Gráficos de luxo, longo, imaculadamente jogável e com uma banda sonora de se chorar por mais – no que toca à versão japonesa. Uma das paixões da minha vida!

 

8 – The Legend of Zelda: A Link to the Past. Tudo o que o franchise Nintendo tem de melhor encontra-se neste capítulo para a Super Nintendo. Um marco!

 

9 – Panzer Dragoon Saga. O RPG! Mais um que me marcou literalmente, com Azel a acompanhar-me até ao fim dos meus dias. Pois é... está tatuada no meu braço esquerdo! Convém referir que é a obra máxima do Team Andromeda para a Sega Saturn.

 

10 – Diablo. Não poderia passar o resta da minha existência sem um jogo da Blizzard. Tão simples quanto isso!

 

11 – Mario64. Este não necessita de qualquer comentário. É a revolução em forma de vídeojogo.

 

12 – Super Street Fighter II, na sua versão Super Nintendo. Teria de levar comigo o comando da SNES. Sem ele não sou nada naquela que deverá ser obra por mim mais horas utilizada!

 

Por fim... em forma de bónus... levaria a minha máquina de flippers. Sim, também tenho uma na sala da minha casa. E adoro-a do fundo do coração!!!!!! É a menina dos meus olhos!!!!

 

Já agora, termino com uma pergunta: Que jogos levariam com vocês para uma ilha deserta?

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por luxxx às 16:34

Segunda-feira, 20.11.06

Não há amor como o primeiro

Na parte que me toca, o primeiro jogo usufruído numa máquina acabada de comprar fica para sempre junto ao meu coração, mesmo sendo de qualidade duvidosa. Quero com isto dizer que pode não ter ficado para a história dos vídeojogos... mas ficou para a história do Luís.

 

E a história do Luís é:

 

Spectrum – Horace Goes Skiing (Melbourne House... tão básico... tão lindo)

Commodore 64 – The Way of the Exploding Fist (Melbourne House... o primeiro grande, grande, grande beat’em up)

Atari ST – Xenon (The Bitmap Brothers... como eu os adorava!!!)

Commodore Amiga 500 – Defender of the Crown (Cinemaware... luxo visual)

NES – Super Mario Bros 3 (Nintendo... sem palavras!)

Commodore CDTV – Sem comentários...

MegaDrive – Sonic the Hedgehog (Sega/Sonic Team... amor à primeira vista)

Super Nintendo – Super Mario World (Nintendo... perfeição pura)

GameBoy – Tetris (Nintendo... 17 anos depois ainda é muito usado)

PC – Wolfenstein (id... o meu primeiro FPS... sniiiiiiiif)

MegaCD – Sonic CD (Sega/Sonic Team... a melhor aventura de Sonic!!!)

32X - DOOM (id... excelente adaptação)

Atari Jaguar – Alien vs Predator (Rebellion... um FPS de luxo!)

PlayStation – Tekken (Namco... conquistou-me para sempre)

Sega Saturn – Panzer Dragoon (Sega/Team Andromeda... lindo de morrer!)

N64 – Super Mario64 (Nintendo... a revolução!)

Dreamcast – Sonic Adventure (Sega/Sonic Team... é Sonic...)

PlayStation2 – Fantavision (SCE... primeiro estranha-se, depois entranha-se)

Xbox – Halo (Bungie... um dos melhores FPS de sempre!)

GameCube – Luigi’s Mansion (Nintendo... bem engraçado)

GameBoy Advance – Castlevania: Circle of the Moon (Konami... lindo!)

Nintendo DS – Super Mario64 (Nintendo... a revolução na palma das mãos!)

PSP – Lumines (Q Entertainment... o melhor spin-off de Tetris)

Xbox 360 – Kameo (Rare... HD... HD... HD... Rare)


Enfim... todos lindos. Todos responsáveis por me terem oferecido horas de enorme prazer vídeojogável. Todos com um lugarzinho junto ao meu coração. E agora que venha a Wii e a PS3!

Autoria e outros dados (tags, etc)

por luxxx às 02:16

Quarta-feira, 08.11.06

Qual comprar?

Com a chegada da nova geração de consolas e com o Natal à porta, somos colocados perante um terrível dilema: qual consola comprar?

 

Aposta-se na segurança da Xbox 360? Suporta-se o atraso do lançamento europeu da PS3? Avança-se para as novidades propostas pela Wii e respectivo Wiimote? Ou diz-se “que se lixe” e vai-se buscar o Spectrum ao fundo do baú, voltando ao activo em clássicos como Manic Miner, Jet Set Willy, Nodes of Yesod, Sabre Wulf, The Way of the Exploding Fist e Ant Attack?

 

O que nos leva a optar por uma nova consola? Os jogos? A potência do hardware? A aposta na diferença? A garantia do branding? Fidelidade à marca? Tudo isto e mais alguma coisa?

 

Na parte que me toca, sempre me atirei de cabeça. Sou um exemplo dos tiros no escuro, facto me levou a cometer vários erros através dos anos. Foi o caso do CDTV da Commodore - quase 200 contos há 15 anos atrás -, da Jaguar da Atari e do MegaCD. Mas este último está desculpado, ou não fosse responsável pela melhor aventura de Sonic, o excelente Sonic CD.

 

E vocês? Já se arrependeram de alguma compra menos pensada? Confessem-se ao Bispo Luís e terão direito a um T3 no Nirvana dos vídeojogos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por luxxx às 13:58


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


calendário

Abril 2015

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930

Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2014
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2013
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2012
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2011
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2010
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2009
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2008
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2007
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2006
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

Links

Mais Jogos no SAPO